GESTAR TP 3 UNID. 9


ESCOLA INÁCIO SOUZA MOITA
DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA
PROFESSORA: RAIKA BARRETO
ALUNO (S):__________________________________________________________
SÉRIE E TURMA:_____________________N.º____________________________
AULA 3
BIOGRAFIA
        Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira do Mato Dentro - MG, em 31 de outubro de 1902. De uma família de fazendeiros em decadência, estudou na cidade de Belo Horizonte e com os jesuítas no Colégio Anchieta de Nova Friburgo RJ, de onde foi expulso por "insubordinação mental". De novo em Belo Horizonte, começou a carreira de escritor como colaborador do Diário de Minas, que aglutinava os adeptos locais do incipiente movimento modernista mineiro.
       Ante a insistência familiar para que obtivesse um diploma, formou-se em farmácia na cidade de Ouro Preto em 1925. Fundou com outros escritores A Revista, que, apesar da vida breve, foi importante veículo de afirmação do modernismo em Minas. Ingressou no serviço público e, em 1934, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi chefe de gabinete de Gustavo Capanema, ministro da Educação, até 1945. Passou depois a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e se aposentou em 1962. Desde 1954 colaborou como cronista no Correio da Manhã e, a partir do início de 1969, no Jornal do Brasil.
Os primeiros livros de Drummond, Alguma poesia (1930) e Brejo das almas (1934). Alvo de admiração irrestrita, tanto pela obra quanto pelo seu comportamento como escritor, Carlos Drummond de Andrade morreu no Rio de Janeiro RJ, no dia 17 de agosto de 1987, poucos dias após a morte de sua filha única, a cronista Maria Julieta Drummond de Andrade.

Os Ombros Suportam o Mundo    

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.                                                         
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teu ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo,
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.
            Carlos Drummond de Andrade
Os versos acima foram publicados originalmente no livro "Sentimento do Mundo", Irmãos Pongetti - Rio de Janeiro, 1940.  Foram extraídos do livro "Nova Reunião", José Olympio Editora - Rio de Janeiro, 1985, pág. 78.
ATIVIDADE:
1- Pesquisem a biografia de outro autor e selecione um texto (poema, crônica, etc.). Não esqueçam da bibliografia.
2- Criem a sua Biografia e seu próprio poema.
BIOGRAFIA
POEMA:

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

ATIVIDADES DO GESTAR TP3


ESCOLA INÁCIO SOUZA MOITA
DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA
PROFESSORA: RAIKA BARRETO
ALUNO:_______________________________________________________
AULA 1
Apresentação do conteúdo, programático, objetivos, metodologia e formas de avaliação.
AULA 2
CARTA PESSOAL
Esse texto escrito por Júlia é uma carta pessoal. Esse tipo de carta é um gênero textual que utilizamos quando queremos comunicar a amigos ou familiares um determinado assunto mais longo, mais detalhado. Assim como o cartão-postal e o cartão a carta pessoal trata de assuntos particulares, numa linguagem informal.
            Aquele que envia a carta é chamado de remetente; aquele a quem a carta se destina é chamado de destinatário.
            Esse tipo de correspondência apresenta uma estrutura que se compõe de elementos como local e data, vocativo, texto e assinatura.
            O vocativo contém o nome do destinatário, acompanhado, normalmente de alguma palavra cortês, como querido, caro, por exemplo, que varia de acordo com o grau de intimidade que temos com a pessoa a quem escrevemos.
            Texto é o assunto da carta. E o final varia bastante. “ Abraços”, Beijos, mil beijos, etc.
            A assinatura é normalmente apenas o nome manuscrito (sem o sobrenome) do remetente.
            Se pronta a carta, tivermos esquecido algo importante, podemos incluir, depois de feitas as despedidas, um PS – (post scriptum) expressão latina que significa “depois do escrito” e colocar as anotações extras.
Paraná, 2 de Janeiro de 2007

         Querido amigo Zenon,
        Acabei de chegar, mas já estou com saudades de você e de todos os amigos da escola.Vou passar o mês de janeiro aqui na casa da vovó Elisa, na fazenda Santo Antônio.
        No final do mês é o aniversário da minha prima Alexandra e como ela gosta muito de adivinhas eu gostaria de inventar uma com a palavra AMOR para colocar no cartão do presente dela.
        Será que o seu tio que escreve letras de músicas não me ajudaria a fazer esse adivinha?
        Um grande abraço da sua amiga
                                                                                               Júlia.

ATIVIDADE:
1-     Quem é o remetente da carta, ou seja, quem escreveu a carta?
2-     Que é o destinatário dessa carta, ou seja, para quem ela foi escrita?
3-     Onde e quando a carta foi escrita?
4-     Qual a saudação que Júlia usou para Zenon?
5-     Você acha que se o remetente não conhece bem o destinatário esse tipo de saudação é adequada? Qual seria outro modo de cumprimentar alguém com quem não se tem intimidade?
6-     De que outra maneira podemos nos despedir nas cartas?
GRAMÁTICA NO TEXTO:
7-     Copie todas as palavras do texto escritas com letras maiúsculas. Diga a que classe de palavras elas pertencem.
PRODUÇÃO TEXTUAL:

A Doença do Planeta azul
(Roseana Murray)
Menino que mora num planeta
azul feito a cauda de um cometa
quer se corresponder com alguém
de outra galáxia.
Neste planeta onde o menino mora
as coisas não vão tão bem assim:
o azul está ficando desbotado
e os homens brincam de guerra.
É só apertar um botão
que o planeta Terra vai pelos ares...
Então o menino procura com urgência
alguém de outra galáxia
para trocarem selos, figurinhas
e esperanças.

Habitante de outra galáxia
Aceita-se corresponder-se  com o menino
do planeta azul.
O mundo deste habitante é todo
feito de vento e cheira a jasmim.
Não há fome nem há guerra
E, nas tardes perfumadas .
As pessoas passeiam de mãos dadas
e costumam rir à toa.
Nesta galáxia ninguém faz a morte,
ela acontece naturalmente,
como o sono depois da festa.
Os habitantes não mentem
e por isso seus olhos
brilham como riachos.
O habitante da outra galáxia
aceita trocar selos e figurinhas
e pede ao menino
que encha os bolsos de esperanças,
que não só os bolsos, mas as mãos
e os cabelos, a voz, o coração,
que a doença do planeta azul
ainda tem solução.
                  Classificados poéticos.Belo Horizonte: Miguilim.1984.pg 41.
ATIVIDADE

       1-   Suponha que você habite em outro planeta, outra galáxia e queira se corresponder com o menino do planeta azul. Imagine como são os seus habitantes, o seu planeta, como se relacionam e se divertem, etc. e escreva a carta.
         Utilizando uma folha de papel sulfite colorida faça um envelope e preeencha-o com remetente, endereço, cep e entregue para um colega seu.
         Não esqueça de avaliar sua produção de texto.
2- Ilustre este texto

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS